(47) 3345.3712       Av. Emanoel Pinto, 925, Balneário Piçarras - SC

topo Pré-agendamento Fale com o Dr. Avaliação pós-consulta Visão 360º Facebook Instagram

Artrite Reumatoide

A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que geralmente afeta as pequenas articulações das mãos e dos pés. Ela interfere no revestimento dessas articulações, causando um inchaço doloroso que pode, eventualmente, resultar em erosão óssea e deformidade articular. A artrite reumatoide é uma doença autoimune, ou seja, que faz com que o sistema imunológico do corpo ataque os tecidos saudáveis por engano.
 
Segundo a reumatologista Tatiana Molinas Hasegawa, do Centro de Qualidade de Vida (CQV), além de causar problemas nas juntas, a artrite reumatoide, em alguns casos, pode afetar outros órgãos do corpo – tais como pele, olhos, pulmões e vasos sanguíneos.
 
De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a artrite reumatoide acomete cerca de 1% da população e qualquer pessoa pode desenvolver a doença, desde crianças até idosos. Tatiana explica que, na infância, entre dois e 15 anos, o quadro é chamado de artrite reumatoide juvenil. Na fase adulta, recebe o nome de artrite reumatoide.
 
“A doença costuma se manifestar com maior frequência entre o público feminino. Isso aconteceria por causa do fator hormonal, pois o estrogênio poderia mexer com o sistema imune da mulher. Mas essa afirmação ainda está sendo estudada”, afirma. Segundo a Sociedade Brasileira de Autoimunidade, a incidência de artrite reumatoide é de três mulheres para cada homem.
 
Causas
Diferentes fatores podem causar artrite reumatoide. O principal é ter grau de parentesco com pessoas que têm a doença. Segundo Roberto Heymann, assistente doutor da disciplina de Reumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a carga genética passada de pai para filho pode conter genes que estão associados à artrite.
 
Além dos fatores genéticos, a artrite reumatoide também pode estar associada a infecções virais e bacterianas. “Vírus e bactérias podem cair na corrente sanguínea e desencadear um desequilíbrio no sistema imunológico, resultando assim num quadro de artrite reumatoide”, alerta Tatiana. Ela conta que infecções urinárias, dores de dente e dores de garganta são alguns dos fatores que podem levar ao problema.
 
O cigarro também pode ser visto como um facilitador para o desenvolvimento da artrite reumatoide, inclusive pessoas que não fumam, mas têm contato com fumantes, também correm risco. Os especialistas dizem que até mesmo fatores ambientais podem ser um gatilho para o desenvolvimento de artrite reumatoide. Poluentes como a sílica, elemento principal que constitui a areia, são alguns dos que podem predispor a doença.
 
Fatores de risco
São diversos os fatores de risco para o aparecimento da artrite reumatoide, dentre eles estão:
  • Ser mulher, uma vez que a doença afeta três vezes mais mulheres que homens
  • Ter parentes próximos com artrite reumatoide. Mas esse fator não é absoluto. Existe apenas uma chance maior de se ter a doença comparando-se com alguém que não tenha nenhum caso na família
  • Fumantes, mesmo que sejam apenas fumantes passivos
  • Pessoas expostas a poluentes do tipo sílica.
 
Sintomas de Artrite reumatoide
Os sinais e sintomas da artrite reumatoide são:
  • Dor nas articulações dos dedos das mãos e pés
  • Dor nas articulações dos joelhos e tornozelos
  • Dor nas articulações dos cotovelos e ombros
  • Dor na região do quadril
  • Dor, inchaço e aumento da temperatura nas articulações
  • Rigidez matinal, que pode durar horas
  • Caroços firmes de tecido sob a pele dos braços (nódulos reumatoides)
  • Rigidez e dificuldade para movimentar certas articulações no período da manhã
  • Fadiga
  • Febre
  • Perda de peso não intencional.
Os sinais e sintomas da artrite reumatoide podem variar em termos de gravidade e, também, podem ser intermitentes, ou seja, aparecer e desaparecer em seguida. Períodos de maior atividade da doença, chamados de crises, alternam-se com períodos de remissão relativa - quando o inchaço e a dor das juntas (articulações) desaparecem ou ficam menos frequentes. Além disso, a inatividade da doença também pode ser percebida nos exames laboratoriais.